Ética no Trabalho

juracy.soares@uni...
Publicado em: qui, 25/06/2020 - 09:05

Pare um pouco e se pergunte: você acha que ter um comportamento ético é um fator importante na carreira profissional? Você percebe que as organizações cada vez mais pautam suas ações na ética, demonstrando que a cada dia cresce a consciência da sociedade acerca de seus direitos e deveres?

Afinal de contas, Ética e Cidadania são valores cada vez mais observados e demandados. Esses são questionamentos importantes e podem nos ajudar a direcionarmos nosso comportamento e postura frente aos mais diversos episódios – quer seja no campo pessoal – quer seja no profissional.

No campo profissional, ao nos posicionarmos e adotarmos uma postura ética, passamos a refletir uma imagem que fazemos de nós mesmos. Esse tipo de comportamento passa aos qua nos rodeiam, uma imagem da organização da qual queremos fazer parte.

Perceba o quanto isso pode ser transformador para os seus valores. Essa ‘aura’ certamente deverá reverberá positivamente em forma de valores que norteiam a organização da qual você faz participa. Em determinado ponto, esses serão os valores que você mesmo incorpora naturalmente.

Se é certo que podemos afirmar ser a ética o fundamento da sociedade, no campo empresarial, a ética está associada à sua cultura, tendo em vista que há grande necessidade de que os valores sejam internalizados para um maior alinhamento.

As empresas – cada vez mais – percebem que o comportamento organizacional ético se transofmou em uma questão de sobrevivência. Conceitos como marca; imagem; e confiabilidade se fundem e passam a ter uma relevância de sustentabilidade à sua própria continuidade.

Aquela distância que observávamos entre o discurso e a prática ética ficou, para as corporações, cada vez mais difícil de manter. Em tempos de hiperconectividade, todas as ações, gestos e palavras passam por um crivo instantâneo dos diversos canais de mídia.

Exemplo desse tipo de disseminação massiva de informação foi uma lista com as sete marcas de chocolate que usam trabalho escravo infantil, publicada pela Advogada Camila Vaz no site JusBrasil. O artigo, que cita o documentário “Escravidão: Uma Investigação Global” (Slavery: A Global Investigation) faz um panorama bizarro ao vincular a páscoa e o hábito de darmos chocolates ao encarceramento de crianças com idades entre 11 e 16 anos e até mais novas, em plantações isoladas, onde trabalham de 80 a 100 horas por semana.

Após denúncias de uso de mão de obra infantil, Nestlé e Hershey se defenderam. Esse é o título de uma matéria publicada pelo Jornal Correio Braziliense, quando em 2016, após repercussão de documentários revelando a triste realidade das crianças escravizadas. A reação das empresas? É interessante a leitura da matéria.

Parece incrível que em pleno século 21, temas como a diversidade étnica, preconceito e discriminacao racial ainda sejam assuntos não resolvidos em nossa sociedade.

O certo é que, voluntariamente ou não, as empresas começam a revelar sinais de uma nova conscientização, tendo em vista que seu comportamento ético passou a ser um diferencial de qualidade e respeitabilidade para os seus clientes.

Voltando às perguntas que fizemos no início desse artigo:

- Você acha que ter um comportamento ético é um fator importante na carreira profissional?

- Você percebe que as organizações cada vez mais pautam suas ações na ética, demonstrando que a cada dia cresce a consciência da sociedade acerca de seus direitos e deveres?

Quero ouvir a sua opinião! Você pode escrever um artigo e publicar em nosso Blog Unieducar. Basta enviar para o meu e-mail: juracy.soares@unieducar.org.br .

Saudações!

 

Juracy Soares

É professor fundador da Unieducar. É fundador e Editor Chefe da Revista Científica Semana Acadêmica.

Graduado em Direito e Contábeis; Especialista em Auditoria, Mestre em Controladoria e Doutor em Direito; Possui Certificação em Docência do Ensino Superior; É pesquisador em EaD/E-Learning; Autor do livro Enrqueça Dormindo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                                       

Nota do editor: os textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais iconográficos publicados no espaço “opinião” não refletem necessariamente nosso pensamento, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.